Posts Tagged "alamanda"

Alamanda: trepadeira com flores amarelas sorridentes!

Alamanda: trepadeira com flores amarelas sorridentes!

A alamanda é uma trepadeira nativa brasileira, muito linda e ornamental, cujas flores amarelas parecem que estão sorrindo!

Alamanda

TREPADEIRA VIGOROSA

A alamanda é uma trepadeira perene, com muito látex, sublenhosa, nativas das regiões Norte, Nordeste e Sudeste do Brasil! É uma trepadeira vigorosa, bastante variável e com folhagem brilhante e espessa.

 

FLORES

As flores em formato de funil com uns 7cm de diâmetro, são formadas durante quase o ano todo, com mais intensidade na primavera e no verão. Geralmente são amarelas, um amarelo bem intenso e bonito! Mas podem também ser branco-leitosas e até ter pétalas dobradas. Mas essas duas últimas são mais raras de encontrar.

flores de alamanda

flores de alamanda

 

Cultivo no jardim

Ela gosta de pleno sol e como ela não gruda no suporte, no começo ela deverá ser amarrada com para ser conduzida por em suportes, portais, cercas e caramanchões.

alamanda sobre portão

alamanda sobre portão

 

Cultivo em vaso

Para que ela vá bem e consiga cobrir a área, o ideal é que ela seja plantada diretamente no jardim. Mas se for planta-la num vaso, o vaso deverá ser alto, com um mínimo de 70cm de altura.

 

Substrato ideal

O substrato deverá ser fértil e permeável.

 

Multiplicação

Para multiplicar, faça estacas com uns 15cm de comprimento com as pontas do ramos na primavera e verão. Nas regiões onde ela é originária costuma produzir um fruto, que é uma capsula coberta de espinhos com poucas sementes aladas.

 

As primas

Existem outras alamandas. Três arbustivas de flores amarelas e duas também arbustivas com flores roxas ou vinho intensas. Todas são parentes e as flores muito parecidas.

 

ATENÇÃO: TÓXICA!

Todas as alamandas são tóxicas. Todas as partes das plantas são tóxicas: tanto as flores, folhas, caule e até as raizes. E principalmente o seu látex é muito perigoso. Se ingerido pode causar irritação da mucosa, vômitos, dores abdominais, cólica, diarreia, desidratação grave e até óbito. Então para evitar acidentes, plante essa planta longe de áreas com crianças pequenas e filhotes de animais.

 

USO MEDICINAL

Li que seu extrato tem sido usado para tratamento de tumores de fígado e câncer em geral. Só use com orientação médica!

 

Regiões quentes

Alô pessoal do Norte, Nordeste e demais regiões quentes do Brasil. As alamandas são perfeitas para enfeitar os jardins de vocês! Ao invés de ficar tentando cultivar uma planta que não vai bem na sua região, foca numa planta linda e maravilhosa como essa e seja mais feliz!

 

Essa é mais uma planta brasileira, é fácil de cultivar e que nos presenteia com uma floração espetacular! E aí? O que você achou da alamanda? Já conhecia essa planta? Já cultivou? Conta para mim nos comentários abaixo.

 

Faça parte da minha Lista VIP e ganhe 2 e-books!

E você pode se inscrever aqui no site, fazer parte da minha lista VIP e ganhar 2 e-books!

Veja no final do post do lado direito da tela. Toda semana você irá receber uma newsletter com as novidades e poderá responder à newsletter com as suas dúvidas e sugestões.

 

ENTRE EM CONTATO COMIGO:

Sempre que você quiser entrar em contato comigo, é só escrever para: falecom@nofigueiredo.com.br e mandar fotos das plantas ou as suas dúvidas que eu respondo. Não respondo sempre de imediato, tá? Porque nem sempre eu consigo. Mas assim que eu tiver um tempinho eu sempre respondo, com certeza!

ESTRÉIA DE VÍDEOS NO YOUTUBE

Agora é possível programar uma estréia no Youtube. Então uns dias antes da 5af e do domingo eu já posto no canal a miniatura do vídeo que será postado. Aquela fotinho da capa do vídeo. E você pode clicar ali para receber um lembrete avisando que o vídeo irá começar. É muito legal saber antes o assunto do vídeo que irá ao ar, né?

Instagram

Siga-me no instagram. Procure por @nofigueiredo1 e veja fotos e vídeos que não posto aqui! 😉

Você encontra tudo para jardinagem na loja online Toca do Verde!

Kit joaNinho

Acompanhe o ciclo de vida das joaninhas e depois solte-as na natureza!

Hotel dos insetos

Hospede insetos amigos das plantas no seu jardim. Use cupom NOFIGUEIREDO para ganhar 5% de desconto.

Você encontra tudo para jardinagem na loja online Plantei.

Use o cupom VIMDANO para ganhar 5% de desconto na sua primeira compra.

Siga a Nô nas redes sociais

Plantas tóxicas – TV Gazeta

Plantas tóxicas – TV Gazeta

Conhecimento é prevenção de acidentes: assista agora à minha participação no programa Manhã Gazeta, da Olga Bongiovanni, falando sobre as plantas tóxicas:

Programa foi ao ar em 13 de maio de 2011.

 

As plantas foram gentilmente cedidas pela Natus Verde Plantas Ornamentais, que infelizmente não existe mais.
Mais sobre PLANTAS TÓXICAS

 

Para assistir minhas outras participações na TV Gazeta clique:  TV Gazeta

Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza comentando, curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

 

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde

Conexão com a natureza

Cultivo e Identificação de Plantas Tóxicas

Cultivo e Identificação de Plantas Tóxicas

Aprenda a identificar e cultivar algumas plantas que são lindas e venenosas. É importante saber identificá-las para evitar acidentes.

As crianças pequenas muitas vezes são atraídas pela beleza das folhas e inflorescências da comigo-ninguém-pode (cujo nome popular que não precisa de maiores explicações), do antúrio e do caladium (ou tinhorão). Essas plantas são encontradas em muitos lares brasileiros, já que são plantas de meia sombra e fáceis de cultivar.

 

Veja agora as 3 plantas responsáveis pela maioria dos casos de intoxicação por plantas. A Dieffenbachia é a maior responsável por casos de intoxicação, seguida pelo Anthurium e Caladium. Acredita-se que os mecanismos de ação tóxica dessas plantas sejam semelhantes, por isso vou explicar apenas o da Dieffenbachia.

 

Dieffenbachia amoena (comigo-ninguém-pode ou difenbáquia)

Originária da Colômbia e Costa Rica, essa planta herbácea perene, que atinge de 20 a 50cm de altura, possui caule espesso, suculento e folhagem muito ornamental, com desenhos variados. Já sua flores, que são produzidas no verão e não possuem importância ornamental.
É cultivada em vasos, em conjuntos isolados ou em jardineiras a sombra ou meia sombra, protegida do vento, com terra enriquecida de húmus e bem suprida de água.

Dieffenbachia amoena (comigo-ninguém-pode ou difenbáquia)

 

No caso de contato com os olhos, há necessidade de maiores cuidados, pois pode haver lesão na córnea, acompanhada de dor e fotofobia.

As crianças são atraídas pela exuberância das folhas e levam partes destas à boca. A mastigação, mesmo que de pequenos pedaços, causa uma intensa irritação das mucosas da boca, faringe e laringe. Os sintomas iniciam-se com salivação abundante, dores na boca, na língua e nos lábios. Nos casos mais graves, aparecem efeitos gastrointestinais, como náuseas e vômitos. O tratamento no caso de ingestão é apenas sintomático.

 

Anthurium andraeanum Linden (antúrio)

Essa planta semi-herbácea, ereta e perene, também é originária da Colômbia. Ela atinge de 30cm até 1m de altura e possui uma folhagem muito ornamental.

Anthurium andraeanum Linden (antúrio)

Suas flores são brancas, cremes ou esverdeadas, formadas na primavera e verão e ornadas por espatas sulcadas (que é o que a gente acha que é a flor, mas na verdade é uma bráctea para atração de polinizadores), em diversas cores: brancas, vermelhas brilhantes, cor-de-rosa, cor-de-salmão, vermelho-sanguínea, e novas cores estão surgindo de cruzamentos de espécies.
É cultivada em vasos, em conjuntos isolados ou jardineiras, sempre a meia-sombra, em canteiros com terra vegetal. Quando muito alta deve ser rebaixada dividindo-a em estacas. Muito utilizada como flor de corte, proporcionando arranjos bonitos e muito duráveis. Não gosta de frio.

Caladium sp. (caladium, tinhorão)

O caladium é composto por um grande grupo de plantas bulbosas, eretas e acaules, entouceradas e originárias da América Tropical, principalmente do Brasil.
Suas folhas são lindas, variadamente coloridas em diferentes desenhos, obtidos geralmente por hibridação de diversas espécies.
Caladium sp. (caladium, tinhorão)
São cultivados em vasos, mas podem ser formadas jardineiras ou conjuntos sempre a meia-sombra ou pleno sol, em locais protegidos de ventos, ricos em matéria orgânica e muita umidade.
Produzem bulbos que passam por um período de repouso vegetativo durante o inverno, perdendo totalmente as folhas. Aproveita-se essa fase para arrancar os bulbos, dividi-los ou não, reformar a terra e plantá-los novamente no fim do inverno.

 

As plantas a seguir normalmente estão em calçadas, jardins e praças e acabam atraindo crianças um pouco maiores com seus frutos, flores e folhas.

Allamanda cathartica L. (alamanda)

Originária do litoral norte, nordeste e leste do Brasil, essa trepadeira lactescente e semi-lenhosa é bastante vigorosa e possui folhas brilhantes e espessas.
Allamanda cathartica L. (alamanda)
Apresenta inflorescências com flores amarelas em forma de funil, formadas durante quase o ano todo, principalmente na primavera-verão. Adora o sol e quando jovem precisa ser conduzida com amarrilho, em suportes, caramanchões, portais e cercas. Tolera um pouco o frio. Multiplica-se principalmente por estacas cortadas na primavera-verão.
A ingestão da alamanda provoca distúrbio gastrointestinal intenso, caracterizado por náuseas, vômitos, cólicas abdominais e diarréia.

 

Nerium oleander (espirradeira, oleandro)

Esse arbusto grande, que é quase uma arvoreta, lactescente, é originário do Mediterrâneo e pode atingir de 3 a 5m de altura. É muito ramificado e flolífero. Suas flores podem ser brancas, róseas ou vermelhas e formam-se na primavera-verão. Tanto suas folhas como suas flores são muito tóxicas.

Nerium oleander (espirradeira, oleandro)

Cultivado com grande freqüência em parques e jardins e utilizado na arborização de ruas, inclusive em regiões de clima frio e mesmo áridas.

 

Euphorbia milii Des Moul. (coroa-de-cristo)
Muito utilizado como cerca viva graças aos seus espinhos agressivos, este arbusto de textura suculenta e lactescente, originário de Madagascar, atinge de 50 a 80 cm de altura.
Suas inflorescências com flores dispostas duas a duas, pequenas com brácteas vermelhas, róseas, amarelas ou brancas, são formadas durante o ano todo.

Euphorbia milii Des Moul. (coroa-de-cristo)

Os casos mais freqüentes de intoxicação pela coroa-de-cristo estão associados ao contato do látex com a pele e com as mucosas. É comum ocorrerem incidentes com jardineiros durante a poda, tanto do contato do látex com a pele como o contato da mão suja de látex com os olhos. Em crianças, o contato ocorre freqüentemente durante as brincadeiras, ao tirar leite da planta para fazer “comidinha”.

A exposição da pele ao látex causa uma inflamação caracterizada por vermelhidão, inchaço, dor e necrose dos tecidos. Quando partes da planta são ingeridas, desenvolve-se uma sensação de queimação nos lábios, na língua e na mucosa bucal, seguidas por dores intestinais, vômitos e diarréia. O contato com os olhos deve ser tratado imediatamente para evitar o desenvolvimento de conjuntivites, queratites e uveites, juntamente com inchaço das pálpebras e fechamento dos olhos devido ao edema. A demora na ajuda médica pode acarretar em complicações como úlcera corneal, perfuração da córnea e conseqüente cegueira.

 

Outras plantas tóxicas:
  • Euphorbia pulcherrima Willd. (bico-de-papagaio)
  • Ricinus communis L. (mamona)
  • Jatropha curcas L. (pinhão-papagaio)
  • Atropa belladona L. (beladona)
  • Nicotiana glauca Graham (couve-do-mato)
  • Brugmansia suaveolens (saia-branca)
  • Luffa operculata (buchinha)
  • Thevetia peruviana (chapéu-de-napoleão)
  • Lithraea molleoides (aroeira)
  • Scadoxus multiflorus (coroa-imperial)
  • Palicourea marcgravii (erva-de-rato)
  • Ficus pumila (unha-de-gato)
  • Murraya paniculata (murta-de-cheiro)
  • Polyscias fruticosa (árvore-da-felicidade fêmea)
  • Oxalis sp. (trevo)

 

Para mais informações sobre plantas tóxicas:
SINITOX – Sistema Nacional de Informações Tóxico Farmacológicas 

 

Assista ao vídeo PLANTA TÓXICAS – TV GAZETA

 

 

Referências bibliográficas:

LORENZI, Harri. Plantas ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras. 3a edição. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2001.
OLIVEIRA, Rejane Barbosa de; GODOY, Silvana Aparecida Pires de; COSTA, Fernando Batista. Plantas tóxicas. Conhecimento e prevenção de acidentes. Ribeirão Preto, SP: Holos, 2003.

Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza comentando, curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde

Conexão com a natureza