As samambaias são plantas tropicais que precisam de calor e umidade para sobreviver. Elas não gostam de luz solar direta, mas precisam de muita luminosidade. Se elas estiverem num local pouco iluminado, elas perdem o vigor e ficam mirradas. Tome cuidado também com ventos fortes e correntes de ar que fazem com que suas frondes (folhas) se choquem e suas gemas apiacais (aquelas partes enroladinhas nas pontas das frondes, responsáveis pelo desenvolvimento da planta) se quebrem. O ideal é que o local onde ela esteja seja atingido por uma leve brisa.

E elas não gostam de ficar mudando de lugar. Quando são removidas constantemente, o desenvolvimento das frondes fica prejudicado e a planta pode definhar.

Para o substrato você pode fazer a seguinte mistura para que elas tenham terra fofa e úmida: 2 partes de composto orgânico (que tenha pedacinhos de madeira – pode ser casca de pinus, e folhas semi decompostas), uma parte de terra comum e uma parte de areia de rio lavada (areia de construção).

DICA: Para obter folhas de um verde mais intenso, junte à mistura de cada vaso, uma colher de chá de carvão vegetal triturado.

REGAS: Elas gostam de regas diárias e abundantes, mas não a ponto de deixar o solo encharcado.

Nos dias muito quentes você pode borrifar água diretamente nas frondes das suas samambaias, elas vão adorar e ficar ainda mais lindas!

 

Davallia fejeensis (renda-portuguesa):

 

Conforme a renda-portuguesa vai se desenvolvendo, ela vai produzindo rizomas (aquelas raízes peludas) que se enrolam ou saem para fora dos vasos. Esses rizomas têm a capacidade de reproduzir uma nova planta através das gemas (os pontinhos pretos que se destacam no rizoma).

Quando fazer: observe se os rizomas estão saindo para fora do vaso e se estão com uma cor mais escura. E também se a sua planta já adquiriu o tamanho desejado. Se ela ainda estiver pequena, aguarde mais um pouco e faça a multiplicação na próxima estação. Não faça a multiplicação no inverno, época em que as plantas entram em repouso vegetal.

Como fazer:

1. Prepare um vaso com: 2 partes de composto orgânico, 1 parte de areia (areia de construção, lavada) e 1 parte de terra.

2. Puxe com cuidado o rizoma para longe do vaso e com uma tesoura bem afiada corte um pedaço de uns 15 cm de comprimento. Repita a operação algumas vezes até obter uns 6 pedaços de rizoma. Observe os pedaços de rizoma cortados. Eles devem ter pelo menos 6 gemas (pontinhos pretos) para que a nova planta se forme.

3. Plante os rizomas cortados obliquamente (45º) no vaso preparado, enterrando-as até a metade de seu comprimento.

4. Deixe o novo vaso num local claro e úmido. Regue com moderação diariamente, até as mudas pegarem. Você saberá que elas pegaram quando aparecerem os primeiros brotos!

Asplenium nidus (asplênios):

 

Essas plantas são samambaias bem diferentes. Suas folhas são inteiriças, longas, verdes claras e muito brilhantes. Elas adoram locais semi-sombreados e temperaturas entre 18 e 26ºC. Gostam também que seu substrato seja mantido úmido, mas não encharcado. Se o local onde elas estiverem for muito seco, borrife água em suas folhas, principalmente nos dias mais quentes.

Substrato ideal: 2 partes de composto orgânico, 1 parte de terra comum e 1 parte de areia. Você pode acrescentar ainda 2 colheres de sopa de farinha de osso e 1 colher de chá de carvão vegetal triturado para cada 3 litros do substrato acima.

Saiba o que fazer se o seu asplênio apresentar:

  • Folhas pálidas: podem ocorrer por falta de adubado ou excesso de luminosidade. Adube sua planta a cada 6 meses e mude-a para um local mais sombreado.
  • Folhas com manchinhas amareladas; pontos arredondados, escuros, no verso das folhas: são as cochonilhas de carapaça que provavelmente estão sugando a seiva da sua planta. Se a infestação for pequena, elimine-as uma a uma, utilizando uma escova de dentes molhada com álcool. Se não, aplique óleo de neen. Lembre-se de aplicar o óleo de neen no final da tarde.
  • Bordas amarronzadas e folhas murchas: sua planta deve estar com excesso de calor. Mude-a para um local mais fresco e borrife água em suas folhas para melhorar a umidade.
  • Folhas opacas e sem brilho: provavelmente sua planta está com falta de água ou está num local com pouco ventilação. Mude-o para um local mais arejado e se o substrato estiver muito seco, regue com mais frequência.
  • Manchas marrons nas pontas das folhas: normalmente são provocadas por temperaturas frias. Mude seu asplênio para um local mais quente, longe de correntes de ar.

Platycerium bifurcatum (chifre-de-veado):

 

Nunca tinha visto um chifre-de-veado tão cheio e maravilhoso!
As folhas do chifre quando nascem são pequenas e firmes, com o tempo elas tornam-se grandes, com recortes irregulares, bifurcadas, brilhantes e pendentes. É cultivada em vasos com substrato igual ao de orquídeas ou em troncos de árvores, sempre à meia-sombra e irrigados a intervalos. É bastante rústica, resistindo razoavelmente bem ao frio.
Multiplica-se pelas mudas pequenas que suas raízes formam na superfície do substrato e separadas durante o inverno.

Para assistir ao quadro Dicas de Jardinagem do programa Arte Brasil do canal Rural para mais dicas sobre cultivo de samambaias acesse: Samambaias – dicas de cultivo na TV

 

Todas as fotos foram tiradas por mim, Nô Figueiredo, durante a gravação do programa Arte Brasil (canal Rural) dia 15 de março de 2012 no Paraíso das Plantas:  http://www.paraisodasplantas.com.br/

 

Para assistir ao programa acesse: Samamabaias – dicas de cultivo na TV

 

Referências bibliográfica:

LORENZI, Harri. Plantas ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras. 3a edição. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2001.
Minhas plantas: jardinagem prática, combate às pragas, idéias e decoração, plantas medicinais. São Paulo, SP: Editora Abril, 1980.

 

 

Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza comentando, curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

 

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde

Conexão com a natureza