Plantas de Sol

Quer saber sobre plantas que gostam de sol? Aqui tem várias sugestões com dicas de cultivo

Como Cultivar Rosas

Como Cultivar Rosas

As rosas são as plantas mais antigas cultivadas pelo homem. Em 3.000 a.C. elas já enfeitavam e encantavam nos jardins do imperador da China.

As rosas adoram locais bem arejados e ensolarados, com incidência de luz solar de 6 a 7 horas diárias. Só não gostam de muito vento.

 

Preferem um solo mais argiloso, com boa drenagem e rico em húmus. O pH ideal de cultivo varia de 6,5 a 7 (neutro).

 

 

MEDINDO O pH

 

medidor de pH – escala alcalina e ácida

 

Você deve estar pensando… e como é que eu faço para medir o pH do meu jardim? Fácil!
Primeiro você compra um medidor de pH na QUALIFERTIL (eles entregam no Brasil inteiro), que é super fácil de usar. De um lado da caixinha, tem a escala dos ácidos e do outro dos alcalinos.

COMO MEDIR O PH DO SEU JARDIM

Numa bacia coloque 1 medida de solo do jardim e 2 medidas de água destilada ou purificada (à venda em farmácias) e mexa bem.

 

Pegue um filtro de papel, daqueles de coar café, e coe uma medida da mistura numa bacia separada. Daí você utiliza esse líquido que foi coado para medir o pH. Você mergulha a fitinha no líquido coado e espera um minutinho e compara na escala:

 

 
 fitinha de medir pH antes de ser mergulhada no líquido coado

Fita mostrando pH 4 = solo ácido

 


COMO CORRIGIR O pH DO SOLO

Se o solo estiver muito ácido (como da foto acima), coloque calcário dolomítico, para neutralizar o pH.

QUANTO USAR DE CALCÁRIO?

150g de calcário para cada m2 eleva 1 ponto no pH. No caso acima seria necessário 450g de calcário para deixar o solo neutro.

 

Normalmente o solo brasileiro é mais ácido, é muito difícil um solo ser muito alcalino. Se for alcalino, adicione 150g de sulfato de ferro por m2 para diminuir 1 ponto de pH.

 

fitinha medindo pH 7 = neutro

 

COMO PLANTAR UMA MUDA DE ROSA

 

Pronto, agora você já tem o solo ideal para o plantio das suas roseiras! Agora cave um berço de uns 50cm profundidade por uns 30cm de diâmetro e coloque no fundo esterco de galinha e farinha de osso, um pouco de terra e finalmente a sua muda de roseira.

E depois vai acrescentando terra até fechar o buraco. Então você vai delicadamente segurar na base da roseira e dar uma puxadinha para cima, bem de leve, para que o colo da planta não fique enterrado na terra. E daí rega bem.

 

COMO REGAR ROSEIRA

Logo depois do plantio até a primeira floração, regue moderadamente todos os dias. Depois regue 1x por semana no inverno (ou quando estiver frio, já que o tempo tem estado tão louco, que tem feito frio até em dezembro…) e no verão (ou quando estiver quente e não estiver chovendo) regue 2x por semana. A terra entre uma rega e outra deve permanecer ligeiramente seca. Mas não seca demais.

 

ENXERTIA DE ROSA

A maioria das roseiras hoje em dia é criada a partir de enxertia, que é uma técnica que se utiliza uma matriz (cavalo) para ser a base e onde é inserida a planta principal:

rosa enxertada

 

COMO PODAR ROSEIRA

 

Não tenha pena da sua roseira. Em julho faça uma poda anual para fortalecer a sua roseira. Corte as hastes deixando 4 a 5 gemas (as folhas) em cada uma, deixando uns 20 a 30cm de haste do solo. Não se preocupe, é através das gemas que a sua roseira irá brotar novamente e te presentear com lindas flores!

Se a sua roseira for trepadeira, como essa da foto ao lado, pode no máximo 1/3 da rama. Se o galho mede 3m, corte 1m. E então conduza a haste no formato que desejar. Formações em arco favorecem o aumento de brotos e intensificam a floração.


PODA DE LIMPEZA

Durante o ano todo você deverá fazer podas de limpeza, cortando as flores murchas e as folhas secas, sempre que for necessário.

Olha só que lindo vaso de rosas. Essas chegam a 30/40cm de altura e formam um arranjo bem compacto de efeito muito bonito. Quando for fazer a poda anual delas, deixe-as com 10 a 20cm de altura.

 

ADUBAÇÃO DE ROSAS

A adubação é importantíssima para manter as suas rosas sadias e fortes e evitam que sejam atacadas de pragas e doenças. E quanto mais orgânica for a adubação, mais a mãe terra agradece. Use e abuse de húmus de minhoca, farinha de osso e torta de algodão. Eu não gosto de usar a torta de mamona por que tenho uma cadela em casa que cheira tudo o que vê pela frente e a de mamona é tóxicas para cães.

Veja mais sobre ROSAS

 

Consultorias técnicas:
Gabriel Marques da Chácara 3 Paineiras
Ademar e Ricardo Bahia da Qualifertil

 

Referências:
RAUSCH, Andrea. Rosas de A a Z. Variedades, origem, utilização, cuidados. Tradução de Setúbal, Mónica Terlim. Lisboa 2006.
Gostou do post? Do site?
Conecte-se com a natureza curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!Beijos floridos de gratidão,Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde
Conexão com a natureza.
Como Cultivar Trepadeiras – TV GAZETA

Como Cultivar Trepadeiras – TV GAZETA

Assista agora minhas dicas de como cultivar trepadeiras, ótimas para esconder aquele muro sem graça, apresentadas no programa Manhã Gazeta da Olga Bongiovanni:

 

Programa foi ao ar em 26 de novembro de 2010.

As plantas foram gentilmente cedidas pela Chácara 3 Paineiras tel 3743-3727.

 

 

Veja mais dicas de CULTIVO DE TREPADEIRAS

 

 

Assistir minhas outras participações na TV Gazeta

Gostou do post? Do site?
Conecte-se com a natureza curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde
Conexão com a natureza.

 

Como Cultivar Trepadeiras

Como Cultivar Trepadeiras

Veja agora dicas de cultivo de trepadeiras:

Jasminum azoricum (jasmim-dos-açores)
Essa trepadeira é uma das minha preferidas, tanto que tenho uma plantada em casa. Olha só que lindo ficou o meu portão! E pela manhã, quando meu marido abre a porta da entrada para buscar o jornal, ele sempre inspira fundo e comenta sobre o perfume do jardim! Ele já começa o dia de ótimo humor ;)!

 

 
Jasminum azoricum (jasmim-dos-açores) sobre o portão de casa

 

O jasmim é uma trepadeira semi-lenhosa e muito florífera. Possui uma ramagem bem densa e ramificada e fica florido quase que o ano todo. Suas flores exalam um perfume suave e muito agradável. Graças às suas flores, sempre recebemos visitas de beija-flores! Adoro quando eles nos visitam!!! O jasmim deve ser cultivado a pleno sol e é ótimo para revestir pérgolas, cercas, grades e pórticos, por seu crescimento moderado.

 

 

Jasminum azoricum (jasmim-dos-açores) – detalhe das flores

Abutilon magapotamicum (lanterna-chinesa)
Este arbusto de textura semi-lenhosa, é nativo do Brasil, atinge de 2 a 3 m de altura, possui ramos longos, folhagem e floração ornamentais. Existe também uma variação de folhas verdes com manchas amarelas. Suas flores são solitárias, amarelas com cálice vermelho, pendentes, e em forma de lanterna conforme sugere seu nome popular. As flores são formadas durante quase o ano todo e são muito visitadas por beija-flores. É uma planta que tolera o frio.

 

 Abutilon magapotamicum (lanterna-chinesa) – detalhe flor

 

Olha que efeito legal que ela deu nesta escada! Essa foto é do jardim da Escola Móbile que fizemos há alguns anos.A lanterninha pode ser cultivada como planta pendente em jardineiras ou conduzida como trepadeira ao longo de cercas, com a ramagem amparada.

Abutilon magapotamicum (lanterna-chinesa) – na escada da Escola Móbile

Clerodendron thomsonae (lágrima-de-cristo)

Essa trepadeira originária da África Ocidental, semi-herbácea, de folhagem e florescimento muito decorativos. Suas folhas são ovaladas, verde-escuras e brilhantes, com nervuras profundas e bem marcadas. As inflorescências são ramificadas e produzem muitas flores de cálice branco inflado e corola expandida vermelha.

A lágrima-de-cristo precisa de suporte para ser conduzida, sendo indicada para revestir caramanchões e pergolados pois produz uma ótima sombra no verão e permite a passagem da luz do sol no inverno. Floresce na primavera e no verão atraindo mamangavas. Ela adora o sol, mas suporta bem meia-sombra.

 

Clerodendron thomsonae (lágrima-de-cristo)

Clerodendron x speciosum (coração sangrento)
Esse arbusto escandente de textura semi-herbácea e de florescimento vistoso é o resultado da hibridação do Clerodendron splendens (clerodendro) com Clerodendron thomsonae (lágrima-de-cristo) e por isso é muito parecido com o lágrima-de-cristo. O que muda é o formato e a cor de suas flores.

Clerodendron x speciosum (coração sangrento)

Bougainvillea spectabilis
(primavera)
Geralmente é conduzida como trepadeira, amparando-se os ramos pendentes em suportes. É indicado para revestir grades, cercas, muros e pórticos. Normalmente à pleno sol, mas até suporta uma meia-sombra iluminada.

 

A primavera é uma trepadeira lenhosa, espinhenta e de florescimento abundante e espetacular. É originária do Brasil. Suas flores pequenas são envolvidas por 3 brácteas vistosas, simples ou dobradas, e podem ser rosas, brancas, vinho, laranja ou ferrugem.

Bougainvillea spectabilis (primavera) – detalhe flor

Ela pode ser podada e conduzida com arbusto ou arvoreta, como cerca-viva e como trepadeira, enfeitando lindamente pérgolas e caramanchões de estrutura forte.
Bougainvillea spectabilis (primavera)
Bougainvillea spectabilis (primavera)
Adora o sol e solos férteis. Anualmente indica-se podas de formação e de manutenção, visando estimular o florescimento e renovar parte da folhagem.

 

Todas as trepadeiras acima precisam de apoio para serem conduzidas. Elas não grudam no muro. Você deve criar uma espécie de teia de aranha com cabo de varal (aquele de plástico que tem um cabinho de aço dentro) ou com arame galvanizado (para não enferrujar) como na foto abaixo:

E conforme os ramos forem crescendo, você deve ir enrolando-os no arame, até que ela cubra a parede toda e o arame fique “invisível”.

 

Você também pode optar por um tutor ou treliça de metal.

Olha que efeito legal essa treliça de metal como se fosse quadro. Lindo, né?

Usamos muito esse tipo de vaso de 1/2 parede com trepadeira.
Ou uma treliça de bambú…

Se você for plantar sua trepadeira em vaso, escolha um vaso bem alto, pois as trepadeiras possuem raízes profundas e precisam de bastante terra e espaço para crescerem e ficarem bonitas e sadias.

Esse vaso da Anni Verdi tem ainda um segredo… atrás dele tem uma gavetinha que serve para coletar a água que sobra da rega.

Genial, né?!

E para deixar seu vaso com cara jardim, você pode plantar por cima, para dar acabamento, uma forração como a grama preta anã

Ophiopogon japonicus (grama preta anã)

Ophiopogon japonicus (grama preta anã)

 

O clorofito

Chlorophytum comosum (clorofito)

detalhe de vaso com clorofito

ou a hera…
Hedera helix (hera)
Seu terraço ou jardim vai ficar lindo! Você valoriza aquele muro feio, esconde o vizinho chato e ainda traz cor e perfume para a sua casa. Use e abuse das trepadeiras! Boa sorte!

 

Para ver o programa que foi ao ar sobre trepadeiras acesse: Querida o muro sumiu na TV

Fonte: LORENZI, Harri. Plantas ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras. 3a edição. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2001.

 

Gostou do post? Do site?
Conecte-se com a natureza curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde
Conexão com a natureza.

Como Cultivar Cactos – TV Gazeta

Como Cultivar Cactos – TV Gazeta

A paisagista Nô Figueiredo, em mais uma participação no programa da Ione Borges na TV Gazeta, ensina que não é preciso temer os cactus, e como descobrir a beleza que existe nesses seres espinhentos. Verdadeiras esculturas os cactus são plantas divertidas e arrojadas, além de serem super fáceis de cuidar e manter, confira no vídeo:

 

Programa foi ao ar em 23/11/2009.

 

Plantas são da Chácara 3 Paineiras. tel: 3743-3727.

 

Para assistir às minhas outras participações na TV acesse: TV Gazeta  

 

Para mais info sobre CACTOS E SUCULENTAS, acesse: Cactos e Suculentas

 

Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

 

Beijos floridos de gratidão,
Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde
Conexão com a natureza