Plantas

Aqui estão todas as minhas dicas de cultivo de plantas

Como Fazer substratos para plantas

Como Fazer substratos para plantas

Vamos começar do começo. Vamos falar sobre a terra, ou o substrato, no jargão do paisagismo. A terra é a base do jardim ou do vaso. É como o alicerce da casa. Se você colocar uma terra boa e fizer uma boa drenagem, a sua planta ficará muito mais saudável, forte e bonita. Eu nunca economizo na terra. Procuro sempre comprar uma terra de boa qualidade e procedência e ainda dou uma incrementada nela, de acordo com o que irei plantar.

 

DRENAGEM

A primeira coisa a fazer é cobrir o furo ou furos do vaso com manta de drenagem (bidim). A manta de dreangem é uma espécie de um tecido, tipo um feltro, que funciona como um filtro de café, segurando a terra e as raízes da planta dentro do vaso ao mesmo tempo em que permite o escoamento da água.

 

Depois coloco argila expandida (umas bolinhas redondas, muito leves, formadas por uma espuma cerâmica com microporos protegidas por uma casca rígida e resistente), que garantem a drenagem do vaso, ou seja, que não fique água parada no fundo do vaso encharcando a raiz da planta. Então coloco mais uma camada de manta de bidim. Coloco a manta sobre a boca do vaso, e corto deixando uns 2 dedos de distância da borda na volta toda (se o vaso for reto). Se o vaso for afunilado, pode cortar rente à borda que dá certo. Então afundo a manta e coloco-a sobre a argila expandida, de forma que suba um pouquinho nas laterais do vaso. Só então é que coloco um pouco de substrato, a muda da planta e então completo mais substrato nas laterais.

 

Utilize um copo ou xícara e use como a sua medida.

 

SUBSTRATO BÁSICO

Indicado para begônia, violeta, lírio-da-paz, antúrio, árvore-da-felicidade, aglaonema, jibóia, filodendros, ciclamem, zamioculcas, peperomias
1 1/2 medida de humus de minhoca
1 1/2 medida de terra
3 medidas de fibra de coco
2 medidas de areia
2 medidas de vermiculita
Veja no VÍDEO como fazer
Peperomia sandersii (peperômia melancia)
Anthurium andraeanum (antúrio)
Anthurium andraeanum (antúrio)
Anthurium clarinervium (antúrio clarinervio)

Substrato para Cactáceas e Suculentas

Indicado para cactos em geral, ripsalis, flor-de-outubro, flor-de-maio, dedo-de-moça, etc

6 medidas de areia
3 medidas e 1/2 de terra
1/2 medida de humus de minhoca
Veja no VÍDEO como fazer.
Echeveria elegans (echevéria)
Echeveria elegans (echevéria)
Echeveria elegans (echevéria) – detalhe flor
Sedum morganianum (suculenta dedo-de-moça)
Sedum morganianum (suculenta dedo-de-moça)

SUBSTRATO PARA SAMAMABAIA DE RAÍZ

Indicado para saia baiana, paulistinha, compacta, cabelinho de anjo ou mini

1 medida de areia
2 medidas de terra
7 medidas de humus de minhoca
1 colher de chá de carvão moído
Veja no VÍDEO como fazer
Samambaia saia baiana
Samambaia saia baiana
Samambaia cabelo de anjo
Samambaia cabelo de anjo

SUBSTRATO PARA SAMAMBAIA DE RIZOMA

Indicado para rendas portuguesa e francesa, de metro, avencas, pluma, platicerum, asplênio, amazonas, bromélias e chifre-de-veado

1 medida de areia
1 medida de terra
1 medida de humus de minhoca
7 medidas de fibra de coco ou casca de pinus triturada
1 colher de chá de carvão moído
Veja o VÍDEO de como fazer
Avenca
Avenca
Rumohra adiantiformis (renda francesa)
Rumohra adiantiformis (renda francesa)

SUBSTRATO PARA AZALÉIA E PALMEIRAS

3 medidas de areia
4 medidas de terra

3 medidas de humus de minhoca

 

SUBSTRATO PARA ROSEIRAS

2 medidas de areia
4 medidas de terra
4 medidas de humus de minhoca

 

SUBSTRATO PARA ORQUÍDEAS

Fibra de coco e/ou casca de pinus triturada

Veja no VÍDEO mais dicas de substratos para orquídeas

 

 

 

Para assistir ao programa que foi ao ar: Aula de jardinagem: como fazer substratos para plantas – TV Gazeta

 

Receitas ensinadas pela profa Creunícia Pereira Marques no curso do Manequinho Lopes

 

 

Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza comentando, curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

 

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde

Conexão com a natureza

Plantas que gostam de água – TV Gazeta

Plantas que gostam de água – TV Gazeta

Assista agora à minha participação no programa Manhã Gazeta da Olga Bongiovanni, onde ensino a montar um vaso branco e o cultivo de plantas que gostam de muita água como: papirus, sombrinha-chinesa, copo-de-leite, junco e lírio-da-paz:

Programa foi ao ar em 28 de janeiro de 2011.

 

As plantas foram gentilmente cedidas pela Chácara 3 Paineiras tel 3743-3727

Para mais dicas de cultivo sobre essas plantas clique: Deixa a chuva chover!

 

Veja outras participações na TV Gazeta 

 

Anna Paola, eu e Olga

Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza comentando, curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

 

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde

Conexão com a natureza

Plantas que gostam de água

Plantas que gostam de água

Conheça algumas plantas que gostam de muita água:

 

COPO DE LEITE

 

Essa planta herbácea robusta, que adora lugares muito úmidos, é originária da África. É perene e atinge de 60cm a 1m de altura. É muito florífera e sua folhagem é ornamental e brilhante.

Floresce na primavera-verão, sendo muito utilizada como flor de corte, podendo ser cultivada a pleno sol ou à meia sombra, acompanhando muros, muretas, paredes, margens de tanques e lagos ou formando conjuntos, que dão um lindo efeito paisagístico, em terra com muita matéria orgânica e umidade constante. É tolerante a baixas temperaturas e não prospera bem em climas quentes.
Multiplica-se pelas mudas formadas junto ao rizoma da planta-mãe, separadas após o florescimento.

 

JUNCO

 

O junco apresenta desenvolvimento vertical, criando um belo contraste de formas com as outras plantas.

Quando plantada isolada, em vasos dentro de espelhos d’água, têm sua beleza valorizada refletindo suas folhas na água. Ele possui folhas afiladas e cilíndricas, em forma de pequenas lanças de verde intenso.

O junco é planta marginal de crescimento rápido, contudo, se plantada juntamente com outras plantas ou em solo com pouca umidade, pode não se desenvolver satisfatoriamente.

 

Desenvolve-se a sol-pleno ou meia-sombra, não suportando geadas ou sol muito forte. Seu tamanho depende das condições locais, podendo ficar entre 30cm a 120cm de altura. Prefere substrato rico em matéria orgânica, sempre úmido ou submerso com coluna d’água entre 5 a 10cm. É planta resistente a pragas e não é exigente quanto ao pH da água.

 

Em lagos ornamentais, serve de refúgio aos alevinos. Neste caso, deve ser colocada uma camada de seixo-de-rio sobre o substrato para evitar que os peixes o revirem, deixando a água turva. Em lagos naturais, pode ser plantado na zona marginal. Sua propagação geralmente se dá por divisão de rizoma na primavera, mas pode ser por sementes.

 

Já os chamados móveis de junco, tão populares entre nós, não são feito com essa planta. São tecidos com os longos ramos de espécie de chorão (Salix).

 

MINI PAPIRUS

 

 

Planta aquática, ideal para espelhos d’água e lagos.

 

Também pode ser planta em vasos.

 

Gosta de clima quente e de sol.

 

Atinge uns 90cm de altura e a touceira tem uns 50cm de diâmetro.

 

É uma planta perene.

 

 

 

PAPIRUS

 

 

Quando estive em NY fiquei encantada com o papirus que está dentro do Metropolitan Museum of Art , o MET, na parte sobre o Egito. Olha que lindo!
Herbácea perene, ereta, entoucerada, aquática, nativa dos brejos do sudoeste do Brasil, de 1,5 a 2,5m de altura e 1m de diâmetro, com numeras hastes firmes, mais ou menos triangulares de medula macia, tendo na extremidade uma cabeceira de folhas finas e pendentes.

 

É uma planta de grande efeito ornamental quando plantada à beira de lagos, espelhos d’água e tanques, sempre a pleno sol, onde possam contar com umidade permanente. Pouco sensível a baixas temperaturas.

 

O famoso papiro usado no Egito antigo era feito com a polpa do caule de uma espécie de Cyperus, abundante no vale do rio Nilo.

 

A tiririca, a planta daninha mais disseminada e nociva em todo o mundo também é da família dos papiros. Seu nome científico é Cyperus rotundus L.

 

LÍRIO DA PAZ

Planta Herbácea, perene, entouceirada, atinge até 70cm de altura por 20cm de diâmetro, nativa da Venezuela. Cultivada em vasos, jardineiras e renques, ou formando conjuntos densos, sempre à meia sombra, em terra rica em matéria orgânica, mantida sempre umedecida ou dentro d’água. Planta tropical, que não gosta de frio.

 

Folhas em tufo, verde-brilhantes e marcadas pelas nervuras curvadas na face de cima, estreitas na base. Inflorecência em espádice branco, envolvido por espata carnosa lisa, livre, branca internamente e esverdeada do lado de fora, com perfume forte de narciso, formada na primavera-verão.

 

Existe uma outra espécie de lírio-da-paz, o Spathiphyllum wallisi Regel, que não gosta de tanta água como o de cima. Esta espécie também é mais baixa, atinge uns 30 a 40cm de altura, sua inflorescência é branca, sem perfume e com a idade ela torna-se verde. É muito utilizada como planta de interior em vasos.

 

 
 Spathiphyllum wallisi Regel (lírio-da-paz)

 

Há ainda um outro lírio-da-paz, o gigante, Spathiphyllum ortgiessi Regel “Sensation”, originário do México, com folhagem de grande efeito decorativo, que atinge de 90cm a 1,9m de altura. Cultivada principalmente em vasos grandes, para ambientes bem iluminados como terraços, ou plantadas isoladamente e em grupos, em canteiros a meia sombra, mantidos umedecidos. É sensível ao frio, não sendo indicada para terraços de apartamentos onde o vento é frio.

 

 
Spathiphyllum ortgiessi Regel “Sensation” (lírio-da-paz gigante)

 

FÓRMIO

 

 

Planta herbácea rizomatosa, acaule, perene, nativa da Nova Zelândia de 1,5m a 3m de altura e 70cm de diâmetro e muito resistente ao frio.

 

Suas folhagens são muito decorativas. As folhas são laminares, longas, verde escuras com margem avermelhada. Também podem ser vermelho-arroxeadas escuras, estriadas de verde, amarelo e branco e estriadas de verde, amarelo e vermelho. Inflorescência alta, vigorosa, com numerosas flores vermelho escuras, de importância ornamental secundária.

 

Pode ser cultivada em vasos, como planta isolada ou formando conjuntos, a pleno sol ou à meia-sombra. É tolerante a terrenos muito úmidos, prestando-se para plantio em beira de tanques e lagos.

 

 

 

Referências bibliográficas:

JOLY, Aylthon Brandão. Botânica: Introdução á taxonomia vegetal. 13ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2002.

LORENZI, Harri. Plantas ornamentais no Brasil: arbustivas, herbáceas e trepadeiras. 3a edição. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2001.

LORENZI, Harri. Plantas daninhas do Brasil: terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas. 3a edição. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2000.
VILAÇA, Juliana. Plantas Tropicais: Guia prático para o novo paisagismo brasileiro. São Paulo: editora Nobel, 2005.

Gostou do post? Do site?
Conecte-se com a natureza curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde
Conexão com a natureza.

Como Cultivar Rosas – TV Gazeta

Como Cultivar Rosas – TV Gazeta

Aprenda a cuidar de rosas: plantar, transplantar, escolher e fazer aflorar, com as minhas dicas no programa Manhã Gazeta da Olga Bongiovanni:

 

As rosas foram gentilmente cedidas pelo SHOPPING GARDEN e a trepadeira pela Chácara 3 Paineiras tel 3743-3727.

 

Veja mais dicas de cultivo de ROSAS

 

Assistia outras participações na TV GAZETA 

Gostou do post? Do site?
Conecte-se com a natureza curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde
Conexão com a natureza.

Como Cultivar Rosas

Como Cultivar Rosas

As rosas são as plantas mais antigas cultivadas pelo homem. Em 3.000 a.C. elas já enfeitavam e encantavam nos jardins do imperador da China.

As rosas adoram locais bem arejados e ensolarados, com incidência de luz solar de 6 a 7 horas diárias. Só não gostam de muito vento.

 

Preferem um solo mais argiloso, com boa drenagem e rico em húmus. O pH ideal de cultivo varia de 6,5 a 7 (neutro).

 

 

MEDINDO O pH

 

medidor de pH – escala alcalina e ácida

 

Você deve estar pensando… e como é que eu faço para medir o pH do meu jardim? Fácil!
Primeiro você compra um medidor de pH na QUALIFERTIL (eles entregam no Brasil inteiro), que é super fácil de usar. De um lado da caixinha, tem a escala dos ácidos e do outro dos alcalinos.

COMO MEDIR O PH DO SEU JARDIM

Numa bacia coloque 1 medida de solo do jardim e 2 medidas de água destilada ou purificada (à venda em farmácias) e mexa bem.

 

Pegue um filtro de papel, daqueles de coar café, e coe uma medida da mistura numa bacia separada. Daí você utiliza esse líquido que foi coado para medir o pH. Você mergulha a fitinha no líquido coado e espera um minutinho e compara na escala:

 

 
 fitinha de medir pH antes de ser mergulhada no líquido coado

Fita mostrando pH 4 = solo ácido

 


COMO CORRIGIR O pH DO SOLO

Se o solo estiver muito ácido (como da foto acima), coloque calcário dolomítico, para neutralizar o pH.

QUANTO USAR DE CALCÁRIO?

150g de calcário para cada m2 eleva 1 ponto no pH. No caso acima seria necessário 450g de calcário para deixar o solo neutro.

 

Normalmente o solo brasileiro é mais ácido, é muito difícil um solo ser muito alcalino. Se for alcalino, adicione 150g de sulfato de ferro por m2 para diminuir 1 ponto de pH.

 

fitinha medindo pH 7 = neutro

 

COMO PLANTAR UMA MUDA DE ROSA

 

Pronto, agora você já tem o solo ideal para o plantio das suas roseiras! Agora cave um berço de uns 50cm profundidade por uns 30cm de diâmetro e coloque no fundo esterco de galinha e farinha de osso, um pouco de terra e finalmente a sua muda de roseira.

E depois vai acrescentando terra até fechar o buraco. Então você vai delicadamente segurar na base da roseira e dar uma puxadinha para cima, bem de leve, para que o colo da planta não fique enterrado na terra. E daí rega bem.

 

COMO REGAR ROSEIRA

Logo depois do plantio até a primeira floração, regue moderadamente todos os dias. Depois regue 1x por semana no inverno (ou quando estiver frio, já que o tempo tem estado tão louco, que tem feito frio até em dezembro…) e no verão (ou quando estiver quente e não estiver chovendo) regue 2x por semana. A terra entre uma rega e outra deve permanecer ligeiramente seca. Mas não seca demais.

 

ENXERTIA DE ROSA

A maioria das roseiras hoje em dia é criada a partir de enxertia, que é uma técnica que se utiliza uma matriz (cavalo) para ser a base e onde é inserida a planta principal:

rosa enxertada

 

COMO PODAR ROSEIRA

 

Não tenha pena da sua roseira. Em julho faça uma poda anual para fortalecer a sua roseira. Corte as hastes deixando 4 a 5 gemas (as folhas) em cada uma, deixando uns 20 a 30cm de haste do solo. Não se preocupe, é através das gemas que a sua roseira irá brotar novamente e te presentear com lindas flores!

Se a sua roseira for trepadeira, como essa da foto ao lado, pode no máximo 1/3 da rama. Se o galho mede 3m, corte 1m. E então conduza a haste no formato que desejar. Formações em arco favorecem o aumento de brotos e intensificam a floração.


PODA DE LIMPEZA

Durante o ano todo você deverá fazer podas de limpeza, cortando as flores murchas e as folhas secas, sempre que for necessário.

Olha só que lindo vaso de rosas. Essas chegam a 30/40cm de altura e formam um arranjo bem compacto de efeito muito bonito. Quando for fazer a poda anual delas, deixe-as com 10 a 20cm de altura.

 

ADUBAÇÃO DE ROSAS

A adubação é importantíssima para manter as suas rosas sadias e fortes e evitam que sejam atacadas de pragas e doenças. E quanto mais orgânica for a adubação, mais a mãe terra agradece. Use e abuse de húmus de minhoca, farinha de osso e torta de algodão. Eu não gosto de usar a torta de mamona por que tenho uma cadela em casa que cheira tudo o que vê pela frente e a de mamona é tóxicas para cães.

Veja mais sobre ROSAS

 

Consultorias técnicas:
Gabriel Marques da Chácara 3 Paineiras
Ademar e Ricardo Bahia da Qualifertil

 

Referências:
RAUSCH, Andrea. Rosas de A a Z. Variedades, origem, utilização, cuidados. Tradução de Setúbal, Mónica Terlim. Lisboa 2006.
Gostou do post? Do site?
Conecte-se com a natureza curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!Beijos floridos de gratidão,Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde
Conexão com a natureza.
Como Cultivar Trepadeiras – TV GAZETA

Como Cultivar Trepadeiras – TV GAZETA

Assista agora minhas dicas de como cultivar trepadeiras, ótimas para esconder aquele muro sem graça, apresentadas no programa Manhã Gazeta da Olga Bongiovanni:

 

Programa foi ao ar em 26 de novembro de 2010.

As plantas foram gentilmente cedidas pela Chácara 3 Paineiras tel 3743-3727.

 

 

Veja mais dicas de CULTIVO DE TREPADEIRAS

 

 

Assistir minhas outras participações na TV Gazeta

Gostou do post? Do site?
Conecte-se com a natureza curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde
Conexão com a natureza.