Nô Na Mídia

Aqui eu compartilho as minhas participações na mídia. Minha estréia foi em 2008 num programa matutino da TV Gazeta e desde então não parei mais. Já participei também de programas na Rede Globo, no SBT, Rede TV e até no canal Rural e dei várias entrevistas para revistas e sites e desde 2015 sou colunista da revista Bons Fluidos.

Como Cultivar Planta da Fortuna – Revista Bons Fluidos

Como Cultivar Planta da Fortuna – Revista Bons Fluidos

Confira as dicas de cultivo da queridinha do momento: a calanchoe também conhecida por planta da fortuna, que dei para a revista Bons Fluidos de fevereiro:

Chamada na página da Bons Fluidos no Facebook

Post sobre a matéria no blog da Bons Fluidos

 

 

Clique aqui para ir para o blog da Bons Fluidos

 

 

Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

 

Beijos floridos de gratidão,
Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde
Conexão com a natureza

Meu blog e minhas dicas no CATRACA LIVRE!

Meu blog e minhas dicas no CATRACA LIVRE!

Fiquei super feliz por que o pessoal do Catraca Livre curtiu e compartilhou meu trabalho!

 

Meu blog no CATRACA LIVRE

 

 

Veja o post no CATRACA LIVRE.

 

Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza comentando, curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

 

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde

Conexão com a natureza

Como Fazer Mini jardins de suculentas e terrários – TV Gazeta

Como Fazer Mini jardins de suculentas e terrários – TV Gazeta

As suculentas são plantas fascinantes. Com suas formas, texturas e cores variadas são verdadeiras esculturas vivas e formam lindos arranjos, muito decorativos. É um prazer para os olhos olhar a beleza através de suas formas geométricas, únicas na natureza.

Suculentas – fotos: Nô Figueiredo

Elas são plantas fáceis de cuidar, que não precisam de água com muita frequência, só de luz solar. Ter um mini jardim de suculentas é uma maneira muito legal de ser contato com a natureza, mesmo que você more em um apartamento e não tenha varanda. Esse contato com a natureza é importante, principalmente nas grandes cidades como São Paulo, onde estamos cercados por cimento e concreto por todo lado, pois o verde acalma os sentidos. Faz com que nos lembremos de que também fazemos parte da natureza. As plantas ainda ajudam a melhorar a qualidade do ar, produzindo oxigênio.

As suculentas são plantas de crescimento lento, então um mini jardim de suculentas pode durar 2 a 3 anos no mesmo pote. Depois desse tempo é necessário renovar o substrato, transplantar as plantas que cresceram demais para outros recipientes e substituir as plantas por outras menores, caso você queira continuar usando o mesmo recipiente. Para fazer esses mini jardins de suculentas é importante usar recipientes abertos, pois as suculentas são plantas que não gostam de muita umidade no ar. Muitas vezes esses mini jardins de suculentas são chamados de terrários, mas um terrário de verdade é uma forma de cultivar plantas em um ambiente fechado onde é possível simular seu ambiente natural, oferecendo às plantas condições favoráveis para que se desenvolvam. No terrário podemos observar o desenvolvimento dos vegetais e sua manutenção em um sistema auto-suficiente. É como uma miniatura do planeta Terra, uma composição entre seres vivos e não vivos, onde podemos observar, de forma simplificada, o equilíbrio da natureza através dos ciclos da água e do ar.

 

Assista ao vídeo com a minha participação no programa Revista da Cidade da TV Gazeta onde ensino a montar um mini jardim de suculentas:

 

 

E como esses terrários funcionam?

As plantas são os únicos seres vivos que produzem seu próprio alimento utilizando a luz, a água, os sais minerais encontrados no solo e o gás carbônico presente no ar. Esse processo chama-se fotossíntese e através dele a planta produz a glicose, que sua fonte de energia, e libera oxigênio na atmosfera. Na respiração ocorre o inverso. Utilizando a energia que é metabolizada as plantas captam o oxigênio liberado na fotossíntese  e liberam o gás carbônico para a atmosfera. Assim as plantas são capazes de sobreviver num recipiente fechado.

 

Se é fechado, e a água? Como funciona?

Quando há um aumento de temperatura, a água utilizada na rega do terrário evapora e junta-se à água resultante da transpiração das plantas, formando o vapor d’água. Esse vapor condensa-se nas paredes e na tampa do terrário e como uma chuva volta para o solo irrigando as plantas. As crianças adoram observar esse ciclo da água!

 

Quer montar um terrário?

Você vai precisar de:

1 recipiente de vidro, plástico, acrílico ou qualquer outro recipiente transparente (de preferência de boca larga)

1 tampa ou plástico filme

pedriscos ou pedrinhas

areia e carvão vegetal

musgo seco

Plantas de pequeno porte

água 

Substrato básico: 1/3 de areia, 1/3 de terra de jardim e 1/3 de composto orgânico

 

Que plantas colocar num terrário?

As melhores plantas para terrário são fitônias, piléias, samambaias, heras, avencas, peperômias, singônio, filodendros, lírio-da-paz, tradescantia, marantas, etc.

Na hora de escolher as plantas, busque informações sobre as condições ambientais específicas de cada espécie escolhida para o terrário.

É importante lembrar que o terrário é uma simulação de um ambiente natural, então leve em consideração o tipo de solo, a necessidade de luz e os fatores de umidade que cada espécie de planta encontra em seu habitat natural.

Busque colocar plantas que gostem de ambientes parecidos.

O porte da espécie também é um fato que deve ser considerado, pois deverá ser compatível com o recipiente onde o terrário será montado.

  

Passo a passo:

  • Lave o recipiente com água e sabão. Enxugue e passe um pano com álcool. É importante que ele esteja bem limpo para evitar a proliferação de fungos e bactérias.


  • Montagem das camadas: Coloque no fundo do recipiente uma camada de pedrisco, depois uma camada de areia com um pouco de carvão vegetal triturado e por cima o substrato.

 

  • Essas camadas representam, de forma simplificada, as condições favoráveis que as plantas precisam para se desenvolver com saúde.

 

  • Os pedriscos e a areia farão a drenagem da água, o carvão irá absorver os gases gerados evitando o mau cheiro e o substrato servirá de base fixadora e fornecerá os nutrientes necessários para as plantas.

 

  • Como o dedo ou com uma vareta de bambú faça pequenos buracos para plantar cada uma das mudinhas.

 

  • Se seu recipiente permitir e você desejar, faça pequenos morrotes, coloque pedrinhas e bichinhos ou outros objetos pequenos para decorar seu terrário.

 

  • Com a ajuda de um borrifador regue bem o substrato e aproveite para limpar as paredes internas do seu recipiente. Mas tome cuidado para não encharcar o substrato.

 

  • Agora é só cobrir com o filme plástico ou tampa. Ele deve ficar totalmente fechado.

 

 

Onde colocar devo colocar o terrário?

Escolha um local que receba luz, mas não o exponha à luz direta do sol, pois o ambiente pode aquecer demais e prejudicar as plantas.

 

Precisa regar?

Uma vez que você regou e tampou o recipiente, o ciclo da água deverá ocorrer naturalmente lá dentro.

Caso perceba que seu terrário está encharcado, abra a tampa por algumas horas para que um pouco da água evapore. Depois volte a fechá-lo.

Se por outro lado você observar que seu terrário está seco demais, você pode abrir, regar um pouco e tornar a fechá-lo.

Uma outra idéia é colocar um copinho dentro do terrário, de forma que ele fique enterrado e sua borda fique no nível do substrato. Ele funcionará como um laguinho.

 

E se aparecerem pragas e doenças? O que eu faço?

Não se deve aplicar nenhum remédio fitossanitário dentro do terrário pois o ambiente entrará em desequilíbrio, pois será introduzindo um elemento estranho, que não pertence ao ambiente natural.

No caso de plantas doentes ou infestadas por parasitas, se for possível, retire manualmente as folhas afetadas ou limpe-as cuidadosamente com um pano macio e úmido. Se os parasitas ou doenças insistirem em permanecer, retire as plantas afetadas e trate-as fora do terrário.

Caso seja necessário a aplicação de algum remédio, tipo óleo de neem, aguarde 3 a 4 semanas para recolocá-las no terrário. Se os parasitas ou doenças insistirem em aparecer, substitua a planta, de preferência por uma de outra espécie, pois essa espécie provavelmente não se adaptou ao terrário.

 

É necessário adubar? Podar?

Como as plantas estão confinadas num espaço restrito, não é necessário adubar com frequência.

Caso as folhas cresçam demais, pode-as utilizando ferramentas pequenas.

 

Como é a manutenção de um terrário?

De tempos em tempos abra seu terrário e descompacte o substrato e retire as folhas mortas. Isso influencia no aparecimento de fungos, causando o desequilíbrio do sistema.

 

Mini jardins de suculentas

 

Veja mais sobre CACTOS E SUCULENTAS.

 

Veja FOTOS DOS BASTIDORES DA GRAVAÇÃO DO PROGRAMA

 

 

Gostou? Então mão à obra! Digo mãos à terra!

 

Referência:

Oficina: Terrário: Um Pedacinho de Natureza ministrado pela bióloga Lourdes e pela Juliana Ferrari da Escola Municipal de Jardinagem de São Paulo

 


Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza comentando, curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

 

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde

Conexão com a natureza

Plantas em apartamentos – TV Gazeta

Plantas em apartamentos – TV Gazeta

Confira as dicas para ter plantas em apartamentos pela paisagista Nô Figueiredo no programa Revista da Cidade com Regiane Tápias:

 

 

Para saber mais sobre as plantas usadas acesse: Plantas para apartamento

 

Veja fotos dos BASTIDORES DA GRAVAÇÃO DA TV GAZETA.

 

 

Para se cultivar plantas, basta querer dar um pouco de atenção, amor, carinho, água e adubo para outro ser vivo e ficar feliz por tudo o que esse ser vivo maravilhoso faz por você, por mim, pelo nosso querido planeta Terra!

 

Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza comentando, curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

 

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde

Conexão com a natureza

Como Fazer Quadros Verdes – TV Gazeta

Como Fazer Quadros Verdes – TV Gazeta

Confira as dicas dadas para montar um Quadro Verde pela paisagista Nô Figueiredo no programa Revista da Cidade com Regiane Tápias:

 

Para saber mais sobre as plantas usadas acesse: OBRAS DE ARTE FEITAS DE PLANTAS

 

Veja fotos dos BASTIDORES DA GRAVAÇÃO NA TV.

 

 

Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza comentando, curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

 

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde

Conexão com a natureza

Como e onde comprar flores e folhagens para sua casa – site UOL

Como e onde comprar flores e folhagens para sua casa – site UOL

Confira minha dica para a repórter Karine Serezuella do site UOL Mulher Casa e Decoração, que foi ao ar hoje:

Entre as flores plantadas em vasos, as orquídeas são boas opções para decorar ambientes internos

As flores e folhagens naturais, sejam de corte ou plantadas em vasos, trazem alegria e vivacidade para o lar. Mas o que observar na hora de escolher essas plantas? Onde comprar? Quais espécies são indicadas para ambientes internos? Com as dicas de especialistas, tire essas dúvidas e veja como é possível ter flores e folhagens saudáveis e bonitas com simples cuidados e um pouquinho de atenção.

Dentro de casa

As flores e folhagens de corte têm sua durabilidade limitada, por isso, para que não murchem rapidamente, é aconselhável mantê-las em local fresco, arejado e longe da incidência direta do sol. Com relação às plantadas em vasos, existem espécies que não suportam luz direta, enquanto outras somente sobrevivem se expostas diária e diretamente ao sol.

Desta forma, é importante analisar a luminosidade do ambiente interno e estudar as características da planta a ser comprada. Verifique também o tamanho do arranjo ou do vaso para que ele fique proporcional às dimensões do ambiente.

A escolha de determinada flor ou folhagem pode ainda ser definida pelo o que se deseja transmitir naquele espaço ou mesmo pelo tipo de decoração. Segundo a paisagista Bruna Monteiro, as orquídeas dão refinamento ao cômodo, enquanto lisiantos e rosas deixam o local mais aconchegante. Para seguir um estilo mais clássico, porém, prefira lírios e copos de leite.

Na hora da compra

Leve para casa as plantas de corte que não tenham partes amareladas, queimadas ou murchas. Observe se o caule está firme, com aparência viçosa, e se as pétalas estão ainda rígidas. Para aumentar a durabilidade do arranjo, dê preferência aos botões ou às flores semiabertas. No entanto, para uso imediato em um evento pontual, como um jantar, opte por exemplares mais abertos e vistosos.

Se preferir as espécies (ou versões) plantadas, compre vasos que contenham terra “soltinha”, sem aspecto quebradiço. Também verifique se não há folhas queimadas ou secas ou algum indício de pragas ou doenças. Pesquise ou converse com o fornecedor sobre a planta, os cuidados com a rega e as necessidades de luminosidade e nutrientes (adubo).

O universo das espécies

Entre as flores de corte, sejam dispostas em vasos com água ou em arranjos (geralmente estruturados em espumas florais umedecidas), as estrelítzias e helicônias são alternativas tropicais e resistentes, enquanto lírios, lisiantos, cravos, palmas e copos-de-leite são fáceis de manusear e duram bem, se tomados os devidos cuidados (consulte o florista para cada caso). Porém, “as tulipas, peônias e ranúnculos são flores indiscutivelmente lindas, mas com baixíssima durabilidade, portanto utilize-as preferencialmente em eventos específicos”, explica a decoradora floral Priscila Mosconi.

Ainda sobre as plantas de corte, tango, aspargo, ruscus, tuia e bambu da sorte são opções de folhagens para a composição de arranjos. O ruscus, por exemplo, demanda pouca água e pode se manter bonito por semanas.

Por sua vez, no contexto de flores plantadas, as orquídeas são unanimidade entre os especialistas. Os gêneros como Phalaenopsis, Cymbidium e Dendrobium se adaptam bem dentro de casa, desde que haja luminosidade no ambiente. Locais próximos às janelas, mas protegidos da incidência direta de sol, são ideais.

Para os que se entusiasmam com uma folhagem verdinha em vasos, o dinheiro-em-penca e a ripsális são boas escolhas, bem como pequenos vasos de fitônia.

Onde comprar

Supermercados: comercializam espécies de corte e em vasos como os lírios, orquídeas, rosas e lisiantos, além de folhagens. Apesar dos preços serem acessíveis, a arquiteta e decoradora Debora Durigon recomenda ter bastante atenção à qualidade do produto.

Bancas: disponibilizam flores e folhagens de corte e também montam arranjos. Quando uma dessas bancas fica próxima a sua casa, a comodidade em comprar flores sem ter que se deslocar muito é uma vantagem, embora os valores não sejam tão competitivos.

Ceagesp: a rede de armazéns do estado de São Paulo vende flores e folhagens plantadas ou de corte. De acordo com sua Seção de Economia e Desenvolvimento, os mais vendidos em 2013 foram as tuias, crisântemos, gladíolos e violetas. Para os profissionais entrevistados, o baixo preço e a variedade de plantas são os atrativos dos entrepostos. No entanto, é preciso chegar cedo para encontrar boas opções. Na cidade de São Paulo, a feira de flores abre às cinco da manhã e segue até 10h30, nas terças e sextas-feiras, mas vende no chamado semi-varejo: por exemplo, as rosas devem ser compradas em maços de 60 botões (nada que impeça uma posterior divisão em família ou entre amigos).

Floriculturas: mais refinadas que os demais estabelecimentos, as floriculturas costumam comercializar arranjos prontos para entrega a preços variáveis. Portanto, são mais indicadas para datas especiais tanto para decorar, como na hora de presentear. No entanto, caso a floricultura tenha flores de corte à disposição, o custo pode não ser vantajoso.

Lojas especializadas em jardinagem e paisagismo: conhecidas também como “gardens”, essas lojas de grande porte apresentam uma infinidade de flores, folhagens e mudas, de tamanhos variados, além de venderem ferramentas e produtos para o trato com as plantas. Os valores são acessíveis e algumas delas ficam abertas também aos fins de semana.

Os cuidados em casa

Depois que adquirir a flor ou folhagem de corte, alguns cuidados gerais são necessários para aumentar a durabilidade dos exemplares. O ideal é trocar a água do vaso diariamente, de preferência na parte da manhã. A cada dois dias, corte a extremidade do caule, em 1,5 cm aproximadamente, no sentido diagonal. Esse procedimento faz com que a espécie absorva mais água e o caule se mantenha mais rijo e viçoso. No caso dos arranjos feitos em espumas, coloque água à medida que a espuma for secando, para verificar, é só pressionar a superfície do bloco com o dedo.

Em relação às variedades plantadas, para mantê-las sempre bonitas, pesquise sobre as necessidades específicas da espécie escolhida e não deixe de observá-la com frequência, porque a própria planta dá sinais de que algo está errado. A falta de água, a incidência de muita luz ou a ausência de nutrientes, por exemplo, podem levar a uma aparência nada saudável das folhas e flores e ainda ocasionar doenças e pragas. Zelo e atenção nunca são demais.

Para ver a matéria original acesse site UOL

Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza comentando, curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

 

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde

Conexão com a natureza