Dicas de viagem

Adoro viajar e compartilhar dicas de viagem

Machu Picchu e outros Centros de Poder Inka – Viagem ao Peru

Machu Picchu e outros Centros de Poder Inka – Viagem ao Peru

No começo deste ano recebi uma carta convite para participar de uma viagem vivência de auto conhecimento ao Peru. A viagem falou alto ao meu coração e senti que era o momento de conhecer os Andes Peruanos. Senti que também era o momento de ficar sozinha, longe da minha família, marido e filhos… Ter um tempo só para mim. Quando era mais jovem viajei bastante, morei 1 ano sozinha no Canadá, mas depois que casei, nunca mais viajei sozinha. Sempre estava acompanhada pelo meu marido, que também adora viajar e depois pelos nosso filhos, que também adoram viajar… de quem será que eles puxaram isso??? rsrsrsrs

Na madrugada do dia 13 de abril embarquei com 18 mulheres para uma viagem mágica! Fomos direto a Cusco e de lá pegamos um microonibus que nos levou ao Vale Sagrado onde dormimos 3 noites:

Pela manhã quando abri a janela do quarto, olha só o que me esperava:

Estava rodeada de montanhas de enorme beleza e poder! E muitas, muitas flores!

Nossa iniciação no Vale Sagrado começou na Casa da Lua:

Depois fomos para Ollantaytambo e tivemos uma vivência linda de encontro com o Sagrado Masculino no Templo do Condor:

 

Moray, local Inka com terraços circulares onde eram adaptadas e cultivadas diversas espécies vegetais para consumo humano:

Fomos de trem até Águas Callientes e de lá pegamos um ônibus para Machu Picchu!

Fizemos uma trilha Inka: a subida da Montanha Machu Picchu com 3.082m de altura! Eu escolhi fazer um caminho de flores, então fui fotografando todas as flores que vi!

E no topo da montanha, havia um jardim cheio de flores!

A descida da montanha eu fiz agradecendo muito por ter conseguido subir, agradecendo por estar viva, pelos meus pais, pela minha família, marido, filhos, amigos… Foi engraçado por que fiquei muito emotiva na descida. Meus olhos se encheram de água… Será que foi por isso que começou a chuviscar? A montanha ficou emocionada comigo???

Depois passei a fazer o Ho’oponopono, uma técnica havaiana de cura, que diz que devemos nos livrar das recordações que tocam repetidamente na nossa mente (aquela conversa mental interna incessante – principalmente depois de situações estressantes e desagradáveis) e encontrar a Paz. Sem os pensamentos se repetindo, sem crenças limitadoras, sem condicionamentos, sem as lembranças dolorosas, um espaço vazio se abre dentro de você.  O Ho’oponopono lhe permite soltar estas recordações dolorosas, que são a causa de tudo que é tipo de desequilíbrios e doenças. Na medida em que a memória é limpa, pensamentos de origem Divina e Inspiração ocupam o vazio dentro de você. A única coisa que devemos fazer é limpar; limpar todas as recordações, com quatro simples frases que abrangem tudo:

Sinto muito.                Me perdoe.                Te amo.                  Sou grata.

Se quiser saber mais sobre isso acesse: http://www.hooponopono.ws/o-que-e.php

E para finalizar encontrei um segurança da montanha que se chamava Miguel! Como meu querido e amado protetor ARCANJO MIGUEL!!! Foram tantas graças e bençãos que meu coração se encheu de amor e alegria!

Como diz a minha querida mestra Sahwenya: Amor, Amor, Amor!

 

A viagem foi criada em parceria pelas queridas Joyce Amaral Mattos, Silvia Zampilli da Viagens Inpiradoras (http://viagensinspiradoras.com.br/), orientada e conduzida pela maravilhosa Sahwenya Passuello, mestre espiritual e sintonizadora dos florais Alma da Terra (http://www.almadaterrasistema.blogspot.com.br/) e pelos mestres xamânicos Mallku Aribalo (http://mallku.me/) e Alanna Aisha (http://pachamamajourneys.com/home).

Hotel no Vale Sagrado: Q’awana Lodge (http://www.qawana.com/en/index.php)

 

 

Gostou do post? Do site?
Conecte-se com a natureza curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde
Conexão com a natureza.

Parque Estadual da Cantareira

Parque Estadual da Cantareira

Sabe aquele dia de sol e céu azul que dá vontade de caminhar e ficar em contato com a natureza? Pois é, tenho tido cada vez mais vontade de estar em contato com a natureza… Então aproveitei as férias das crianças e tirei um dia para fazer um passeio muito legal com eles. Fomos passar o dia no parque da Cantareira!

O parque da Cantareira está localizado ao lado do Horto Florestal e possui uma das maiores áreas de mata tropical nativa do mundo dentro de uma região metropolitana. Seus 7.900 hectares são formados por remanescentes de mata atlântica. O parque assegura a proteção de seus mananciais, além de abrigar diversas espécies animais ameaçadas de extinção, como o bugio, o gato-do-mato, a jaguatirica, o macuco, o gavião-pomba, o jacuguaçu e o bacurau-tesoura-grande. Também possui diversas espécies vegetais, incluindo algumas ameaçadas de extinção, como a imbuia, a canela-preta e a canela-sassafrás.

Pegamos a Trilha da Pedra Grande, uma trilha urbana, de asfalto, que já foi uma antiga estrada e teve seu asfalto preservado. Essa trilha tem 9, 500km  total e é considerada como uma trilha difícil pois metade dela é subida. O ponto alto da trilha é a Pedra Grande, um grande afloramento rochoso de granito, de onde se pode ver a Cidade de São Paulo do Norte para o Sul. A trilha dura umas 3h.

Lá na pedra fizemos um piquenique com sandubas, sucos e frutas curtindo a vista da nossa querida São Paulo…Delícia!

O caminho é muito bonito. Com araucárias, palmeiras, samambaias e muitas flores!

O nome Cantareira vem de:

Importante lembrar que:

Respiramos um ar mais puro, fizemos exercício, as crianças saíram da frente do computador e da tv, estivemos em contato com a natureza… Tudo de bom! Os meninos adoraram! Recomendo o passeio!

Para saber mais acesse:

http://www.ambiente.sp.gov.br/wp/trilhasdesaopaulo/2011/05/19/trilha-da-pedra-grande-no-pe-da-cantareira/

http://www.cidadedesaopaulo.com/sp/br/o-que-visitar/213-parque-estadual-da-serra-da-cantareira

http://www.saopaulo.sp.gov.br/conhecasp/turismo_parques_estadual-cantareira

http://www.recanta.org.br/nucleo_pedra_grande_cantareira.html

Gostou do post? Do site?
Conecte-se com a natureza curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde
Conexão com a natureza.

Cavernas do Petar

Cavernas do Petar

Quando eu tinha uns 15 anos eu fiz uma viagem às cavernas do Petar que me marcou profundamente. Eu aprendi 2 coisas:

1. Nunca olhe para cima. Olhe para a frente: Durante a caminhada para uma das cavernas, quando me deparei com uma trilha super íngrime, me apavorei e falei para o monitor que não ia conseguir subir. Que era alto demais para mim. Ele então disse para eu não olhar para cima, mas para frente. E foi conversando comigo, distraindo a minha atenção enquanto caminhávamos. Quando percebi, já estava lá em cima!

2. O silêncio sagrado das cavernas: dentro das cavernas o silêncio é puro, intenso e delicioso! Quando se apagam as luzes das lanternas, escutamos um silêncio que não existe do lado de fora. Lá dentro não tem barulho algum. Ou tem o barulho da água criando alguma beleza… É muito bom estar envolvida por esse silêncio e escuros absolutos!

O mais louco é que do nada as cavernas começaram a aparecer nas minhas meditações. Senti que era o momento de voltar. Pedi ao meu marido essa viagem de presente de aniversário.

Foi só um final de semana… mas deu para aproveitar muito! Sábado acordamos cedo e fomos com o guia, o Cidão, para o núcleo Santana. Começamos com o filet mignon, a caverna Santana. Essa caverna é considerada uma das mais lindas da região. A água fez lindos trabalhos de esculturas lá dentro:

Depois fomos até a caverna Morro Preto que fica ao lado, paramos para tomar um lanche e recuperar as energias.

E então visitamos a caverna do Couto, considerada uma “baby” caverna, pois foi formada mais recentemente que as outras. Ela não tem muita graça, para falar bem a verdade… mas o Cidão preparou uma surpresa especial para mim lá dentro:

Uma festinha de aniversário com direito a bolo, velas de 42 anos, chapeuzinho e até 1 balão! Foi super emocionante! Jamais imaginei comemorar meu aniversário literalmente dentro da caverna!!! 

E na saída da caverna tomamos um super banho de cachoeira na cachoeira do Couto: 

Para limpar, energizar e revigorar!

 

 

Voltamos para a pousada super cansados, mas muito felizes! A sauna já estava ligada… Nos esperando! Depois da sauna, banho na piscina natural! Tudo de bom!

Voltamos para o quarto, outro banho, roupas secas, jantamos e antes de 9h já estávamos dormindo!

No domingo acordamos antes das 7h, café da manhã reforçado com direito a iogurte natural feito lá, granola natural, frutas, bolos, etc, encaramos uma trilha de 45 minutos, com uma parada para comprar um mel puríssimo da região direto do apicultor e chegamos na caverna Lambari. A maior parte dessa caverna é feita com a água na altura do peito. Meu caçula, de 10 anos, ficou o tempo todo segurando um cabo preso no alto. Emoção total!

Saindo de lá, caminhamos até a vilinha e pegamos umas boias para fazer o bóias-cross.

Infelizmente não tenho fotos nossas. Essas fotos são do site da Pousada das Cavernas. Tivemos que deixar a máquina num local seco, pois durante o boia-cross temos que estar com as duas mãos livres para manejar a boia! Os meninos adoraram descer o rio de barriga para baixo, deitado sobre a bóia com se fossem uma tartaruga! Uma delícia de passeio, cheio de adrenalina! E perfeito para o dia quente de sol do domingo!

O boia-cross acaba na frente da pousada. Subimos para o quarto, tomamos uma ducha quente, colocamos uma roupa seca, almoçamos e pegamos a estrada de volta. Ficamos com a impressão de que havíamos estado lá por muito mais do que os dois dias (na verdade 1 dia e 1/2) que ficamos. Foi tão intenso, tão bom, tão bonito, tão revigorante, que só indo lá conferir pessoalmente!

Quer ver mais fotos? Acesse o álbum: Cavernas do Petar no facebook

Dicas:

O que levar: 02 pares de tênis (velhos para as caminhadas e passeios), repelente contra insetos, protetor solar, capa de chuva, mochila, squezzi ou garrafinha de água, lanterna com pilhas extras, máquina fotográfica, toalha extra. Na caverna só pode entrar com camiseta que cobre os ombros e calça comprida.

A melhor pousada da região é a Pousada das Cavernas: http://www.pousadadascavernas.com.br/ Recomendo, é realmente ótima! As acomodações são amplas, confortáveis, com espaço para secar as roupas… e com uma comida caseira deliciosa!

E tiramos a sorte grande de ter como guia o Cidão, o cara que mais conhece e curte as cavernas! Ele é o homem das cavernas! Além disso ele faz um trabalho super legal de educação ambiental com as escolas da região! O tel dele é (015) 3556-1138 e e-mail: gapmabs@yahoo.com.br

PETAR quer dizer Parque Estadual do Alto Ribeira, está localizado na região do vale do Ribeira, a 340km da capital do Estado de São Paulo e a 185km de Curitiba. O Parque é dividido em 4 núcleos: Santana, Ouro Grosso, Caboclos e Casa de Pedra.


 

Para saber mais sobre o Petar acesse:

http://www.ambiente.sp.gov.br/verNoticia.php?id=47

http://www.ambiente.sp.gov.br/wp/trilhasdesaopaulo/2011/05/24/trilha-do-betari-no-petar/

http://www.fflorestal.sp.gov.br/index.php

Gostou do post? Do site?
Conecte-se com a natureza curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde
Conexão com a natureza.

 

Passeio de balão

Passeio de balão

Aposto que quando você era criança se imaginou dando a volta ao mundo num balão, inspirado pelas aventuras Júlio Verne…

Pensando nisso, decidi que esse seria um presente especial para meu marido pelos nosso 15 anos de casamento!

Acordamos às 4h40 da manhã de sábado e às 5h00 estávamos entrando na Rodovia Castello Branco com destino a Boituva, a 116km da capital. Chegamos às 6h30 com o dia amanhecendo no aeroporto do Centro Nacional de Paraquedismo…

Os balões estavam sendo inflados…

Até que ficavam cheios de ar e começavam a subir…


Então fomos convidados a subir a bordo!

O comandante soltou uma labareda para esquentar o ar do balão

e lentamente ele começou a subir… Não senti medo algum…

Foi tão suave que quase não deu para perceber que estávamos subindo…

A cidade foi ficando pequena lá embaixo. Engraçado é que era possível escutar o latido dos cães, os sapos na beira do rio…

Lá em cima a sensação era de que o tempo passava mais devagar…

Parecia que estávamos num outro tempo, numa outra dimensão. É tudo era tão calmo…

Até que o vento foi acabando e chegou a hora de pousar. Novamente, foi super suave. Pousamos num pasto…

A equipe de terra, que estava o tempo sendo informada pelo comandante da nossa posição no ar,

chegou logo em seguida com um espumante e taças de champanhe para brindarmos o passeio:

Entramos numa van e fomos levados de volta ao aeroporto para um delicioso café da manhã. O passeio durou aproximadamente 1 hora.

Eram quase 11h da manhã quando chegamos de volta a São Paulo!

Foi uma comemoração memorável! Recomendo!

Para ver mais fotos do passeio acesse o álbum no facebook

Para ver o vídeo do passeio acesse: Passeio de balão no vimeo

Fizemos o passeio com a equipe de balonismo Aventurar. Se quiser mais informações e saber preços acesse: http://www.balonista.com/

P.S.: É caro, mas não tanto como eu imaginava e eles ainda facilitam muito o pagamento!

Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza comentando, curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

 

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde

Conexão com a natureza

Butchart Gardens – Canadá

Butchart Gardens – Canadá

Queria compartilhar com vocês uma história linda de amor à Terra.

 

No começo do século passado um ex-comerciante americano resolveu mudar-se para o Canadá para produzir cimento. Ele mudou-se para a Ilha de Vancouver, na costa Oeste do Canadá, onde haviam muitos depósitos de calcário, matéria-prima vital para a fabricação do cimento. Depois de um tempo e muito calcário extraído, sobrou apenas um grande buraco no local. Sua esposa, Jennie, concebeu então um plano genial para a renovação desse buraco negro. Ela requisitou terra dos arredores e ao pouco essa pedreira abandonada floresceu num jardim espetacular!

 

Ela criou, no estilo das grandes propriedades da época, vários jardins distintos para evocar uma série de experiências estéticas que se modificam de acordo com a estação do ano.

 

A fama dos jardins da Sra. Jennie Butchart se espalhou rapidamente. Por volta de 1920 mais de cinqüenta mil pessoas foram conhecer a sua criação. Com o tempo seus jardins foram transformados em parque, abertos à visitação pública durante o ano todo. O Butchart Gardens é um parque lindo, uma Disney das flores!!! Um deleite aos sentidos! Dá uma conferida nesse tour virtual, dá para ver como o jardim se transforma conforme mudam as estações do ano…

 

Viagem virtualmente pelos jardins de BURTCHAT GARDENS

 

E pensar que ela fez isso numa época em que não se falava em cuidar dos recursos naturais, em recuperação de solos degradados, nada disso. Ela deve ter sido inspirada pelos anjos!

 

Quando morei no Canadá, fui lá conferir:

 

Meu marido e eu, na época ainda namorados…
Posando na frente das flores!
Uma vista do parque

 

Se algum dia você for ao Canadá, não deixe de ir lá conferir. Vale a viagem!!!

 

Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza comentando, curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

 

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde

Conexão com a natureza