Uma vez por ano ele me presenteia com uma flor. Normalmente em janeiro. Mas esse ano ele floresceu mais cedo. Em novembro! Como sempre uma única flor. Enorme e linda, que dura apenas 1 dia. Abre à noite e fecha no começo da manhã. Olha só que espetáculo!

Cereus peruvianus var. tortuosus. (Cacto-parafuso) – foto: Nô Figueiredo

 

Ele está num vaso com substrato para cactos e suculentas. Como a maioria dos cactos, gosta de sol direto, mas não gosta de muita água. Ele está próximo à parede da minha casa, protegido pela platibanda do telhado. Costumo regá-lo a cada 15 dias.

 

Cereus peruvianus var. tortuosus. (Cacto-parafuso) – foto: Nô Figueiredo

Olha só o tamanho da flor! Linda demais, né? Nem parece que é de verdade.

Cereus peruvianus var. tortuosus. (Cacto-parafuso) – foto: Nô Figueiredo

 

Acredita-se que essa forma torcida é derivada da espécie típica por mutação genética surgida no sudoeste do Paraná. Essa planta pode ser podada para ficar mais compacta e com mais ramos. Sem poda ela pode chegar de 2 a 4m de altura. É tolerante a geada e multiplica-se por estacas dos ramos. Não consegui achar sua origem dele. Pelo nome deve ser do Peru, mas li que ele pode ser encontrado em toda América do Sul.

Referência bibliográfica:

LORENZI, Harri. Plantas para jardim no Brasil: herbáceas, arbustivas e trepadeiras. Nova Odessa, SP. Instituto Plantarum, 2013.

 

 

Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

 

 

Beijos floridos de gratidão,
Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde
Conexão com a natureza