Imagine um lugar com cachoeiras, matas, pássaros e muitos bichos… Uma espécie de paraíso na Terra… Imaginou? Esse lugar existe e fica no coração do Brasil, no estado de Mato Grosso do Sul, numa cidadezinha chamada Bonito. Que merece o nome e a fama que tem.

Parque das Cachoeiras – Bonito, MS. foto: Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde

Situada na Serra da Bodoquena, Bonito é formada por muitos rios que foram esculpindo a rocha calcária e criando cavernas, grutas, cachoeiras e lagos de águas cristalinas que com uma estrutura muito bem organizada tornaram essa cidade num maravilhoso destino de ecoturismo. Tanto que ano passado ganhou o prêmio de “Melhor Destino Para Turismo Responsável no Mundo graças ao controle rígido que garante um limite de visitantes por vez nas atrações e, por tabela, a preservação do lugar.

Meu marido sabe que adoro natureza e principalmente cachoeiras então ele resolveu nos fazer uma surpresa e comprou um pacote para passarmos o reveillon em Bonito. Eu amei a viagem e gostaria de compartilhar um pouco das belezas locais com vocês.

Começamos com o pé direito visitando o Parque das Cachoeiras, caminhando pela trilha feita de decks de madeira (para não impactar e compactar o solo) através da mata ciliar do Rio Mimoso, , onde pudemos mergulhar nas piscinas naturais e tomar deliciosos banhos nas 7 cachoeiras, além de apreciarmos a beleza da fauna e flora locais. O percurso é sempre feito em companhia de um guia treinado e o local oferece colete salva vidas para quem não sabe nadar. Tudo muito limpo, seguro e organizado! Ao final do passeio, almoçamos por lá mesmo, num restaurante simples que oferece comida típica de fazenda feita no fogão à lenha, com vista para o mata. Depois do almoço, soneca no redário. Uma deliciosa tradição local.

No outro dia fomos conhecer a famosa Gruta do Lago Azul.  O lago é realmente muito bonito, mas acho que não vale muito a pena. Eu adoro cavernas (aqui tem um post sobre as cavernas do Petar em SP) e confesso que fiquei meio decepcionada por ficar tão pouco tempo dentro dessa. A entrada da gruta é feita por degraus de pedra, sem corrimão, por isso não recomendam para crianças pequenas, mas depois há uma escada com corrimão e não dá para chegar perto do lago. Apesar do dia estar nublado, demos sorte e apareceu um solzinho para garantir a água azul para nosso deleite.

Parque das Cachoeiras – Bonito, MS. fotos: Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde

Fomos também andar de Bote no Rio Formoso. Vários botes de borracha que acomodam umas 12 pessoas usando coletes salva vidas (para garantir a segurança) e um guia, descendo as corredeiras do Rio Formoso. Foi muito divertido. Viramos crianças remando, jogando água nos outros botes e apostando corrida para ver quem chegava em primeiro lugar! Tudo isso ladeado pela mata ciliar preservada. Depois do passeio, tomamos um sorvete e ficamos curtindo a cachoeira do parque.

O ponto alto da viagem foi a Flutuação no Rio da Prata, que fica na cidade vizinha de Jardim, a 51km de Bonito, por uma estrada que tem trechos de asfalto e terra (ou solo como eles falam por lá). No valor da atração está incluso o aluguel de uma roupa de neoprene de mangas compridas e que vai até os joelhos e botinhas também de neoprene, máscara e snorkel. Pequenos grupos são formados e levados de caminhão até o começo da mata ciliar da propriedade. Caminhamos pela mata até chegarmos na nascente do Olho d’Água onde o guia/instrutor ensina como usar o equipamento e a verdadeira aventura começa. A roupa de neoprene faz com que você flutue e a água cristalina oferece um maravilhoso espetáculo. A sensação é de mergulhar num aquário que não acaba! Peixes e mais peixes, pacus, pintados, dourados, trairas e por aí vai… Lindo demais! Esse passeio é IMPERDÍVEL! Ah, se gostar de filmar e fotografar, alugue na cidade uma camera subaquática, que é mais barato que na atração. Vale a pena!

Flutuação no Rio da Prata – Bonito, MS. fotos: Nô Figueiredo

Os guias locais nos haviam indicado a Boca da Onça, mas infelizmente o passeio foi cancelado por que havia chovido muito na véspera e o rio estava muito turvo. Então acabamos indo para a Fazenda Ceita Coré, que oferece uma trilha na mata ciliar passando por várias cachoeiras. Achei as cachoeiras bonitas, mas as do Parque das Cachoeiras eram melhores. Nesse passeio o nosso grupo estava grande demais e não foi tão legal.

A nossa super agente de viagens, a Giselle da Giloschiavo, nos indicou uma pousada fora do centro de Bonito, que era linda, calma e sossegada. A Pousada Olho d’Água, com seus jardins onde passeavam siriemas e cotias. Recanto perfeito para recarregar as energias depois de tantas aventuras!

Pousada Olho d’Água – Bonito, MS. fotos: Nô Figueiredo

Dicas:

Melhor época do ano para visitar: ano todo. Evite os meses de inverno se gostar de banhos de cachoeira pois a temperatura da água pode ficar muito fria. No verão foi delicioso, só que às vezes chove e algumas atrações ficam com rios barrentos e não cristalinos.

O que levar: roupa de banho, chapéu, óculos escuros, tênis e/ou botinha para caminhada, toalha (adoro essa da Decatlon, que é leve e seca super rápido). No passeio das cachoeiras o ideal teria sido uma papete. Na flutuação do Rio da Prata não pode usar protetor solar nem repelente de mosquitos para não poluir a nascente do rio.

Como chegar:  Voamos de SP para Campo Grande pela TAM, mas depois ficamos sabendo que existem vôos da AZUL direto para Bonito. O voo de SP para Campo Grande dura quase 2 horas. Até aí, tudo bem. Duro é encarar mais 4 horas e pouco de ônibus até Bonito…

Meio de transporte para as atrações: ônibus compartilhado é a opção mais econômica. Alguns dias alugamos um FIAT velho para nos deslocarmos.

Onde comer: na maioria das atrações há a opção de incluir o almoço. Na cidade, o melhor peixe comemos no Restaurante Pantanal na rua principal. O único lugar que tinha um peixe delicioso que não era “à milanesa”. O restaurante A Casa do João tem um ambiente muito gostoso, uma lojinha charmosa e o cardápio mais divertido:

Quanto custa: Todas as atrações são pagas. E bem pagas. Não dá para chegar na atração sem ter comprado o voucher anteriormente e o valor de cada atração é tabelado. Um parte do valor vai para a agência de turismo, outra parte para o guia, outra para a prefeitura e restante fica para bancar os custos da atração. As opções em conta são os balneários públicos, mas são as atrações particulares, como as citadas acima, que reservam a grande diversão. Para você ter uma ideia de valores, segue os Preços por pessoa que pagamos na alta temporada:  

Parque das Cachoeiras: R$95,00 adulto/ R$70,00 criança – R$30,00 a refeição

Gruta do Lago Azul: R$60,00 adulto e criança

Bote no Rio Formoso: R$89,00 adulto/ R$80 criança – R$30,00 a refeição

Flutuação no Rio da Prata: R$162,00 adulto e criança

Fazenda Ceita Coré: R$121,00 adulto/ R$86,00 criança – R$30,00 a refeição

A cidade de Bonito não é grande coisa. Uma ruazinha de comércio, com uns restaurantes e lojinhas, sem nenhum charme. E à noite caminhonetes gigantes com caixas enormes de som pilotadas por jovens que ficam disputando quem toca a música mais alta e pior. Por tanto, se puder, fuja das pousadas do centro. Você não vai conseguir dormir à noite e no dia seguinte terá que acordar cedo…

Como já disse no começo do post, amei Bonito e quero um dia voltar. Desejo que essa estrutura premiada se mantenha preservando esse paraíso no coração do nosso querido Brasil. Deu orgulho de ser brasileira e ver que é possível desfrutarmos as belezas da natureza sem precisarmos destruir. Como dizem, da natureza só se leva fotos e boas lembranças!

 

 

Gostou do post? Do site? Conecte-se com a natureza comentando, curtindo e compartilhando meus posts e vídeos nas redes sociais! Eu te agradeço!

 

Beijos floridos de gratidão,

Nô Figueiredo – A Menina do Dedo Verde

Conexão com a natureza